Dentbras

Planos de Orientação – Técnicas de Confecção

por  Lucimara Sertório / Prótese Passo a Passo - 03/20/12

A coluna passo a passo tem como objetivo mostrar aos leitores materiais e técnicas de confecção de diversas fases da Prótese Total.

Para iniciarmos, escolhi um tema sobre o qual vejo muitos profissionais possuírem dúvidas quanto à confecção e o uso dos materiais numa fase tão importante da Prótese Total.

Bases de prova são bases das futuras próteses totais. Confeccionadas sobre o modelo funcional, devem possuir aproximadamente 2 milímetros de espessura, ficar bem adaptadas ao modelo respeitando bridas e freios, ser estáveis e possuir rigidez.

Podem ser confeccionadas em resinas acrílicas ativadas quimicamente (Autoclear - DentBras) ou com placas de acetato.

Após a confecção das bases de prova, os planos de orientação deverão ser confeccionados com Cera Sete, Cera Nove (dependendo do clima regional) ou com a Cera Rolete. Esse conjunto tem por finalidade dar forma ao arco dental, determinar as relações intermaxilares, determinar as linhas de referência (sorriso, mediana e de caninos) e guiar a seleção dos dentes artificiais, determinar as curvas de compensação (Spee e Monson), auxiliar na montagem dos dentes artificiais e fazer a escultura gengival.

A escolha da técnica foi com a utilização da Cera Rolete (DentBras), que já vem em formato, tamanho e textura ideais para a confecção do plano de orientação ou articulação. (Figura 1)

Figura 01
Figura 01

 

A apresentação comercial é de 15 roletes prontos, com uma parte côncava para encaixe no rebordo do modelo e a outra reta para facilitar o acabamento oclusal. (Figura 2).

Figura 02
Figura 02

 

De posse dos modelos e as bases de prova confeccionadas e dado o acabamento com brocas e lixas, pegamos um rolete pronto e iniciamos a confecção com dobramento para dar o contorno do rebordo alveolar do paciente. (Figuras 3, 4 e 5).

20120903-planmo-orientacao-03
Figura 03

20120903-planmo-orientacao-04
Figura 04

20120903-planmo-orientacao-05
Figura 05

 

Com a parte côncava voltada para o rebordo alveolar, faz-se a adaptação e a fixação com cera sete fluida. (figura 6). Corta-se o excesso e faz o preenchimento vestibular e lingual com auxílio de uma espátula 36 para obter uma superfície lisa e paralela com o corredor bucal e contorno vestibular. (figura 7)

20120903-planmo-orientacao-06
Figura 06

20120903-planmo-orientacao-07
Figura 07

 

O mesmo procedimento deve ser aplicado para modelo inferior. Após a conclusão, conferir as medidas dos roletes de cera que devem ter a altura aproximada de 2cm a 2,5cm na região anterior partindo do fundo de sulco ao lado do freio para o modelo superior (figuras 8) e de 1,5cm a 2cm para o modelo inferior (figura 9). E na região posterior, aproximadamente 0,5cm a 1cm para o superior e para o inferior terminar em zero com a base de prova.

20120903-planmo-orientacao-08
Figura 08

20120903-planmo-orientacao-09
Figura 09

 

Sendo assim, os planos de orientação estão concluídos podem ser encaminhados para o dentista. (figura 10)

20120903-planmo-orientacao-10

Além da vantagem da Cera Rolete da DentBras vir no formato e consistência ideais, o tempo de trabalho é muito menor do que a forma tradicional de trabalho.

Espero ter agregado conhecimento a essa técnica de confecção dos planos de orientação. Na próxima postagem falaremos sobre técnicas de confecção de moldeiras individuais.
Até breve!

Fique por Dentro